quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Escrever é sexy

E por isso, mais uma razão para te inscreveres para a semana. "Escrever um livro: por onde começar?", o curso começa na terça-feira.
Mais informação aqui. 


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Tatuagens, Ferraris e fotos de gajas boas em cuecas... ok, uma gaja boa em cuecas e as outras são questionáveis


Quero exprimir aqui a minha super-controversa opinião sobre um assunto. Que é (a sério, vai parecer muito revolucionário, porque embora seja um tema mais do que batido, ainda não vi ninguém atrever-se a dizer isto, mas...). Ok, estão preparados?
Uff...
Então, aqui vai:
Estou-me completamente a cagar para o Lorenzo Carvalho.
Pronto, já o disse. 
E estou neste momento à espera que o menino Jesus desça à Terra para me repreender a falta de sensibilidade e compaixão. Mas não quero mesmo nada, mas mesmo nada, saber dele. E intriga-me como é que isto pode sequer ser tema de discussão, muito menos de uma discussão tão acesa (sim, e eu sei, estou, eu própria, a discutir o tema agora, o que me enerva imenso). Mas, o que aconteceu, de repente, pessoas? Acordaram para a vida do país e é isto que se lembram de comentar? Há muito tempo que não tinha visto alguém ser defendido de uma maneira tão aguerrida. Nem quando a Sónia do Big Brother levou um pontapé do Marco. Nem aí. E foi o primeiro dos Big Brothers.

Eu percebo que tenha sido uma entrevista parva. Eu percebo que era apenas um miúdo que não fez mal a ninguém. Até percebo a reacção à injustiça de a jornalista em questão nunca se ter lembrado de perguntar a um politico, por exemplo, quanto valia o seu relógio. Mas a verdade é que também nunca ninguém antes se tinha lembrado de acusar a jornalista de não ter perguntado a um politico quanto valia o seu relógio, de qualquer maneira. Não foi hoje que a classe politica dirigente do nosso pais começou a fazer negócios manhosos, com dinheiros públicos. Não foi hoje que a injustiça social em Portugal começou. E não foi hoje que os políticos começaram a comprar relógios com o nosso dinheiro.

Mas pelos vistos, foi hoje que os portugueses um pouco por toda a parte se lembraram de se insurgir contra... qualquer coisa.

E quanto a mim, esse qualquer coisa foi bastante ao calhas.

Estou-me completamente a cagar para o Lorenzo Carvalho. Para mim, se a Judite de Sousa tivesse entrevistado o Lorenzo Carvalho, ou um pinguim, era o mesmo. É indiferente. 
E o que me revolta é que sendo tão apáticos, no geral, e tendo tanto para debater no nosso país actualmente, resolvamos acordar de repente para isto.
Ok, não foi um momento televisivo muito bom. Mas isso não torna o mesmo interessante. É apenas um miúdo de tatuagens com dinheiro para quem alguém foi um bocadinho mais idiota. Mas, mais uma vez, que eu saiba, há entrevistados a serem tratados de maneiras idiotas todos os dias, e nunca ninguém se lembrou de fazer uma insurreição disso.

A Judite de Sousa subestimou o povo português. Viu um puto rico, novo e quiçá um pouco ingénuo e decidiu tentar brilhar à sua custa. Do que ela se esqueceu é que, para nós, melhor do que uma boa injustiça social é a possibilidade de achincalhar uma jornalista bem sucedida, com pouco poder de cálculo e demasiado tempo de antena livre. E depois o fenómeno espalha-se em massa, porque já se sabe: se um grita, mesmo que o assunto seja irrelevante, os outros também têm de gritar. E assim, todos perdemos tempo com um assunto que não interessa ao menino Jesus, mas que é fixe porque mete carros, malta estrangeira e a Pamela Anderson.
Eis o povo português. Esfomeados? Sim. Mas bimbos a valer quando é preciso? Sobretudo. 

sábado, 24 de agosto de 2013

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Escrever um livro em Agosto

Tantas vezes temos algo para contar, mas falta-nos dar o primeiro passo! 

Este é um curso que nos ensina que escrever é uma arte, mas pode ser trabalhada, tal como um oficio.

Para aqueles que têm uma ideia em mente mas não sabem como pô-la em prática, para os que já começaram mas precisam de um pouco de orientação, ou até para aqueles que estão simplesmente curiosos em saber como funciona o processo da escrita do livro. 

Da ficção à não-ficção, vamos dar corpo às nossas ideias e pô-las em prática.

Horários a começar já para a semana, de manhã e de tarde:

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Entrevista no Diário Digital

"A morte do pai de Jesus desencadeia todo o livro de Teresa Lopes Vieira, que procurou ir contra o género instituído «conflito+procura+resolução». Deste modo, a autora resolveu escrever uma obra onde o passado, a memória, acaba por ser o motor do enredo. «Quando puxamos uma personagem, que começa a fazer força para não se mexer, o mundo vem atrás e forma uma espécie de explosão à sua volta», refere. "

Para ler na íntegra aqui. 

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Aprendendo a viver com Pedro Bezukhov

"Agora, durante essas três semanas de marcha, revelou-se-lhe uma nova e consoladora verdade: que nada há verdadeiramente terrível neste mundo, que não há no mundo situação na qual o homem seja completamente infeliz e escravo. Aprendeu que há um limite para o sofrimento e para a liberdade.
(...)
Pedro caminhava, olhando o chão e contando os passos de três em três, pelos dedos. Como se dirigisse à chuva, interiormente, dizia: "Pois seja, continua, continua!"

                                                                                          Guerra e Paz - León Tolstoi